A saga de Vitorino

Palco de grandes apresentações futebolísticas, o VGD se tornou um elefante branco,  cujos rumos ainda não foram claramente definidos pela atual administração

Por Leonardo Felix

Sito à esquina da avenida Jorge Casoni com a rua Acre, o estádio Vitorino Gonçalves Dias (VGD) era um módico campo de futebol usado nos anos 40 para jogos de campeonatos amadores de futebol. Após a edificação dos atributos básicos á disputa de partidas oficiais, o local foi promovido pela administração municipal à condição de estádio em 1956.

Em 24 de junho daquele ano, a partida inauguradora, entre Londrina Esporte Clube e Sport Club Corinthians Paulista, registrou o recorde de público do local. 18 mil par de olhos acompanharam o empate de 1 x 1 entre os anfitriões alvicelestes e os visitantes paulistanos.

Até os anos 70, o VGD foi o grande palco das batalhas do Tubarão, quando, em 1976, o – à época – opíparo Jacy Scaff (estádio do Café) roubou no coração dos londrinenses o posto de principal arena para realização de partidas profissionais do mais popular esporte brasileiro.

Ainda assim, o velho Vitorino mantinha sua estreita relação com o LEC. Em meados dos anos 90, a prefeitura cedeu, em regime de comodato, as instalações do estádio ao clube, em contrato de 10 anos, renovado por mais 10 em 1999.

Nos últimos tempos, relegado foi ao abandono. Sem manutenções das mais prementes, com graves falhas estruturais e vetos da Federação Paranaense de Futebol, Corpo de Bombeiros e qualquer entidade de razoável senso, o VGD não pôde abrigar mais eventos de qualquer estirpe.

Agora, com a decadência deblaterada do Londrina Esporte Clube, o Vitorino Gonçalves Dias forma, ao lado do estádio do Café, o duo de elefantes brancos do município. Desde sua entrada na função de prefeito, Barbosa Neto tenta dar um rumo ao antigo campo e, nesse imbróglio, várias cogitações foram anunciadas.

Em dezembro do ano último, o presidente da Fundação de Esportes de Londrina (FEL), Paulo Roberto de Oliveira, informou a intenção de vender o terreno de 22 mil metros quadrados. Pelos cálculos da fundação, seriam arrecadados de R$ 4 milhões a R$ 6 milhões com a venda. Os recursos seriam aproveitados para uma ampla reforma do Jacy Scaff.

Este ano, a proposta radical (criticada por muitos, elogiada por outros) foi substituída por alternativa mais amena: privatização da administração do estádio. Assim, o VGD permaneceria público e vivo, porém os gestores teriam carta branca a realizarem nele o que achassem melhor, arcando, elementarmente, com as devidas despesas do prédio.

Oliveira salientou, contudo, que tal hipótese não descarta totalmente a possibilidade de venda. De qualquer forma, fica nítida a filosofia da atual administração: é desperdício e dispêndio ter gastos com dois estádios mambembes, sem condições decentes de funcionamento, e que ainda por cima não abrigam evento atrativo nenhum, porque não os há.

Se é correto (ou não) o pensamento de Barbosa Neto, só o tempo dirá. O facto é que, independente do sacrifício ou salvamento da velha arena que tantos momentos prazerosos propiciou aos munícipes da Filha de Londres, qualquer saída não será mais melancólica do que a triste realidade que se nos apresenta e que acomete e deteriora cada dia mais o nobre Vitorino Gonçalves Dias.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Uncategorized

Tags: , , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: