A ladeira do Tubarão

Mesmo com a cara de mau, o Tubarão não assusta nem os púberes do Clube Atlético Cambé

A cara de mau do Tubarão, atualmente, sequer assusta os púberes do Clube Atlético Cambé

Por Leonardo Felix

Mostra-se cada vez mais perene a triste saga do Londrina Esporte Clube (LEC). Capaz de levar à neurastenia até o mais pacato e otimista torcedor, a recente sucessão de reveses parece ser inspirada em algum artigo de Arthur Schopenhauer. Nesta semana, novo capítulo foi destrinchado e mais uma vez a mão do carrasco alimentou a agonia de um frágil Tubarão e de seus entusiastas.

A equipa londrinense conseguiu ser derrotada pelo Clube Atlético Cambé (CAC), time da terceira divisão do campeonato paranaense. Detalhe: o CAC entrou em campo sem a melhor formação, apenas com os “pratas da casa” – jovens entre 17 e 20 anos formados pelo clube. O jogo-treino, realizado no Centro de Treinamento do Nichika, terminou no econômico placar de um tento a zero em prol do simpático clube do município adjacente.

O episódio é apenas mais uma camada de glacê deste amargo bolo, que há tempos está torrado no forno. Só nos últimos 12 meses, o LEC foi rebaixado à divisão de acesso do torneio estadual, eliminado da Série D do campeonato brasileiro, teve seu presidente afastado por denúncias de corrupção, opera atualmente por intervenção da Justiça do Trabalho – único clube brasileiro a alcançar tal proeza -, está com a administração nas mãos de um obscuro grupo paulista (autorizado pela justiça a gerir o time), viu os dois estádios citadinos (Jacy Scaff, vulgo Do Café, e Victorino Gonçalves Dias, o VGD) serem interditados pela Federação Paranaense de Futebol, por não terem condições de abrigar partidas profissionais, teve com isso de promover a partida de volta da Copa do Brasil, contra o Uberaba, de Minas Gerais, na cidade de Paranavaí e ainda viu o time mineiro deitar, rolar, abanar o rabo, fingir de morto, dar a pata e ficar com o osso da vaga. Sim, é de acabar com o fôlego e o estoque de vírgulas.

A derrota para os púberes cambeenses espantou o supervisor do Tubarão, Edenilson Franco, que soltou: “achávamos que precisaríamos de seis reforços, mas acho que teremos que trazer 11”. E assim a saga segue, segue a saga, com promessas de muito sofrimento durante a série B do paranaense. No arrebol, apenas a turva neblina opalescente que esconde qualquer perspectiva de progresso. O Tubarão continua engessado, preso a uma cadeira de rodas, descendo descontroladamente pela íngreme ladeira, em meio a cactos espinhosos, sem saber até onde vai esse doloroso declive.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Esporte

Tags: , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

One Comment em “A ladeira do Tubarão”

  1. Luiz Paretto Says:

    Excelente matéria,de fato conseguimos constatar o esfacelamento da equipe do Londrina. Parabéns pelo texto. Com certeza vocÊ será um grande jornalista.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: